terça-feira, 30 de setembro de 2014

Guardas Municipais sofrem com descaso da Prefeitura de Itaquaquecetuba

Guardas Municipais sofrem com descaso da Prefeitura de Itaquaquecetuba
A Guarda Civil Municipal é um dos setores do funcionalismo público que mais sofre com a atual administração, sofrem com direitos desrespeitados, perseguições e humilhações.
Marcello Barbosa
Após receber inúmeras denuncias de Guardas Civis Municipais de Itaquaquecetuba, o Jornal Contraponto e o Portal do Alto Tietê percorreu a cidade em busca de apurar essas denuncias, conversamos com nove GCMs de diversas bases e espaços públicos municipais. Lamentavelmente nossa reportagem confirmou que todas as denuncias apontadas possuem fundamento e que hoje a nossa Guarda Civil Municipal está sendo sucateada e desrespeitada pela a administração municipal. De acordo com um dos entrevistados (que terá sua identidade ocultada por segurança), “Nós vivemos em uma Ditadura”.
07 anos sem perspectiva – Plano de Carreira atrasado
A principal luta da GCM em Itaquaquecetuba desde sua fundação é pelo seu Plano de Carreira. De acordo com um dos GCMs ouvidos pelo Jornal, “A Guarda briga pelo Plano de carreira desde que começou a existir, mas estamos nos reunindo com os vereadores e com a Secretaria de Governo desde maio deste ano. Criamos a Comguarda (Comissão dos Guardas de Itaquaquecetuba), que vem fazendo essa discussão com a Câmara e Prefeitura, ela é composta por um GCM de cada turma (período que entrou).”

De acordo com o GCM que entrevistamos, “A secretária de Governo nos prometeu que em 90 dias o nosso Plano de Carreira vai para votação na Câmara”. Ele também denuncia que a Prefeitura tinha um Plano de Carreira pronto que estava engavetado, mas que não beneficiaria a Guarda “A Secretaria de Segurança já havia montado um Plano de carreira para a gente, mas se destacava um verbo, o verbo ‘poderá’, na prática esse verbo não significa nada juridicamente e nos deixava sem autonomia nenhuma. Esse Plano de carreira que a Comguarda vem discutindo está todo adequado ao PL 13022/2014 que institui normas gerais para as guardas municipais e ao RTP (Regime Especial de Trabalho Policial).”
GCM paga para trabalhar! Fardas e armas são compradas pelo próprio Guarda
Atualmente a Guarda Civil Municipal possui efetivo de 274 guardas, sendo que todos eles somente ganharam uma única farda desde que entraram na corporação. De acordo com outro GCM entrevistado “Desde que entrei na GCM a Prefeitura somente me cedeu uma farda, com tecido de baixa qualidade, isso aconteceu com todos da Guarda. Nossa farda se gasta, então temos que comprar outra farda, que custa atualmente R$ 157,00, além da bota que custa a média de R$ 175,00.”

Outra denuncia foi referente as armas da GCM. De acordo com o Guarda entrevistado, “Cada GCM teve que pagar a média de R$ 4 mil para ter sua arma, que acabamos cedendo para a prefeitura porque trabalhamos com ela, além disso, temos que pagar individualmente a média R$ 500,00 para termos o salvo conduto que nos garante a posse e o porte de arma 24 horas por dia. Esse Salvo Conduto é expedido pelo juiz e gastamos esse valor com questões burocráticas. A Corporação possui 28 revolveres calibre 38 e 4 pistolas, mas são utilizadas somente pela Cúpula.”
GCM Teixeira: Um ano depois, sua morte ainda não foi esclarecida
Nesta semana (dia 30 de setembro), vai completar um ano do assassinato do GCM Anderson Wander Teixeira, e a investigação sobre sua morte ainda não encontrou o culpado. De acordo com um GCM ouvido, o sentimento de impunidade é muito grande. “ O Teixeira foi assassinado a um ano atrás e a pouco mais de 20 dias tivemos outro companheiro morto, o GCM Ribeiro. Confesso que meu sentimento inicial foi de impotência pois nos dois casos haviam câmeras de monitoramento nos locais, mas que não funcionam, se funcionasse poderíamos ter informações precisas do ocorrido. Até hoje não sabemos quem matou o Teixeira.”

De acordo com o GCM entrevistado, a Prefeitura possui 22 câmeras instaladas e somente uma câmera funciona. Na semana que passou a Câmara aprovou em primeira votação que a Casa Aberta, local onde Teixeira trabalhava e também onde ele foi assassinado, terá o nome do GCM para homenagea-lo.
Perseguição cotidiana
Foi unânime entre os GCMs entrevistados que os Guardas que tentam lutar por seus direitos e cumprirem corretamente suas funções são perseguidos, sofrem retaliações e assédio moral. De acordo com um dos entrevistados “Já foi registrado um Boletim de Ocorrência por assédio moral. Quem tenta fazer valer seus direitos é perseguido, vivemos em uma ditadura. Mudam a gente de escala repentinamente, mudam nossos lugares de trabalho, muitas vezes desengavetam processos antigos para incriminar Guardas e muitos já foram exonerados por causa disso.”

O que observamos é que nossa honrada Guarda Civil Municipal está sofrendo duros ataques por parte de nossos Governantes.
Matéria veiculada na Edição 58 do Jornal Contraponto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente, Mas Não Desrespeite!!!
Me Reservo ao Direito de Não Publicar Comentários Anônimos Que Denigrem, Atacam ou Caluniam Terceiros.

Ocorreu um erro neste gadget

Simplicidade é Tudo...

Simplicidade é Tudo...
A Complexidade é Simples...